Seguro de Vida – Proteção Financeira

Quando o principal provedor de renda de uma família morre, sofre um acidente ou tem uma doença que restrinja a capacidade de trabalhar, o padrão de vida tende a ter certas dificuldades.

O seguro de vida é um contrato feito com as seguradoras que serve como uma garantia financeira para os familiares durante um período de tempo, conforme os itens discriminados na apólice e do valor acordado.

Também serve como um auxílio durante os trâmites do processo de inventário para solicitar herança, já que os custos podem chegar em até 20% do valor total do patrimônio da pessoa que faleceu. O que pode ser um ônus para a família.

Seguro pessoal

A Superintendência de Seguros Privados (Susep), órgão responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, estabeleceu o seguro de vida como Seguro de Pessoas, já que é possível contratar como uma cobertura no caso de invalidez por acidente ou doenças graves que impossibilitem arcar temporariamente com as despesas familiares ou pessoais.

Entre as coberturas mais comuns, além de morte (que inclui indenização por morte natural ou acidental) ou morte por acidente estão:

– Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente (IPA)

– Invalidez Permanente Total por acidente (IPTA)

– Invalidez Permanente por acidente majorada (IPAM)

– Invalidez Funcional Permanente Total por Doença (IFPD)

– Invalidez Laborativa Permanente Total por Doença (ILPD)

– Despesas médica, hospitalares e odontológicas (DMHO)

– Diárias de Incapacidade Temporária (DIT), esse geralmente é direcionado para profissionais liberais ou autônomos que dependem exclusivamente do trabalho para ter uma renda.

– Diárias por internação hospitalar (DIH)

– Doenças Graves (DG)

Essas coberturas podem ser contratadas em conjunto ou separadamente.

Avalie suas necessidades

Para saber a melhor opção de Proteção Familiar qual é o melhor contrato e qual o valor mais adequado a pagar, é preciso avaliar quais são suas necessidades e de sua família. Em geral, sempre existirá um seguro que atenderá suas necessidades.

Considerar o padrão de vida desejado para os dependentes indicados no seguro é bastante importante. Gastos com moradia, alimentação, educação e saúde da família, assim como despesas com funeral e contas médicas devem ser pensados antes de assinar a apólice. Esse valor deve ser o suficiente para os beneficiários arcarem com os gastos, pelo menos, até que a família possa se reestruturar financeiramente de novo.

Igualmente, se o seguro for contratado para arcar com necessidades pessoais, o valor deve manter um padrão aceitável para contas básicas pelo tempo contratado.

Como calcular o valor da apólice

Serão necessárias algumas informações, que mudam de acordo com a seguradora, mas normalmente, são solicitados:

Declaração Pessoal de Saúde (DPS);

Idade; Estado Civil; Renda; Coberturas desejadas e Capital Segurado.

Ressaltando que este tipo de seguro poderá ser contratado pela empresa, para seus funcionários, nestes casos a forma de cálculo e informações necessárias são diferentes dos seguros individuais.

Seguro de vida é herança?

De acordo com o artigo 794 da Lei n° 10.046 de 10 de janeiro de 2002 do Código Civil, “No seguro de vida ou de acidentes pessoais para o caso de morte, o capital estipulado não está sujeito às dívidas do segurado, nem se considera herança para todos os efeitos de direito”, ou seja, seguro de vida não é herança por alguns motivos distintos:

No caso da herança, os herdeiros – cônjuges, descendentes, ascendentes – partilham todo o patrimônio do falecido, não apenas os bens e créditos, como a responsabilidade sob dívidas. O processo de abertura de um inquérito pode levar de três a seis meses e se houver divergência entre os herdeiros, o encerramento chega a quatro anos. Enquanto isso, os familiares precisam buscar outras formas de se manter e pagar pelos encargos processuais, mais o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação (ITCMD).

No seguro de vida, o processo é muito mais simples. A partir do aviso de sinistro e de entregue toda a documentação diretamente a seguradora, em até 30 dias é liberado a indenização aos beneficiários indicados na apólice, não há inventário, desconto de impostos ou retenção para o pagamento de dívidas.

Por que contratar uma consultoria de seguro?

Decidir por um seguro que vai servir como uma proteção financeira futura para sua família pode levar muito tempo e ser bem confuso, já que existem muitas seguradoras, incluindo as falsas, além das propostas oferecidas pelos bancos, que na maioria das vezes não são interessantes.

Uma solução que deve ajudar nessa hora é contratar uma consultoria de seguros. Profissionais atualizados e atentos às mudanças do mercado irão oferecer produtos e serviços direcionados especificamente às suas necessidades. Dessa forma, há uma neutralidade nas propostas de contrato e agilidade na elaboração de estudos e diagnósticos técnicos.

Segurança, agilidade, profissionalismo, neutralidade, são algumas das muitas vantagens de procurar pela assessoria de uma consultoria de seguros.

Saiba mais




IR COM WAZE

Avenida General Ataliba Leonel, 2680 2º andar

 
Converse aqui