Seguro para reformas em casa, como funciona, como contratar

O seguro de reformas em casa ou riscos de engenharia, conhecido como seguro de obras garante é um seguro de pequenas reformas que protege contra os prejuízos e imprevistos que podem afetar sua obra. Esse tipo de seguro para reforma residencial não é tão comum no Brasil, mas é importante e em alguns casos obrigatório para qualquer modalidade de obra ou reforma.

Garante indenização por prejuízos ocorridos na reforma de sua casa.

Por que devo contratar o Seguro para Reformas em Casa

Em muitas situações de reforma, sabemos que os gastos e responsabilidades muitas vezes fogem do orçamento esperado não é mesmo? A fiscalização em obras tem aumentado significativamente em nosso país, pelo aumento de acidentes e irregularidades nas obras de construção civil. Por esse motivo é tão importante a contratação do seguro para reforma residencial e condomínio.

 

Como funciona o seguro de obras para reforma em condomínios e as vantagens em contratar esse serviço

A contratação de um seguro que garante a indenização de danos durante a reforma pode evitar despesas não previstas no planejamento e ajudar a reduzir o custo. As seguradoras cobrem todo e qualquer evento de origem súbita e imprevista na sua obra, exceto os citados no contrato como excluídos.

Existem três modalidades do seguro, são elas: obras civis em construção (OCC), instalação e montagem (IM) e quebra de máquinas (QM). Em certos casos, há a necessidade de se contratar as três modalidades em uma mesma obra.

 

Quais as modalidades do seguro para reformas em residências e o que ele cobre

Existem três modalidades do seguro, são elas: obras civis em construção (OCC), instalação e montagem (IM) e quebra de máquinas (QM). Aqueles próprios da construção como danos físicos causados por acidentes, incluindo incêndio, erro de execução.

O seguro para reformas de casa tem a cobertura de:

  • Roubos e furtos
  • Riscos da natureza (chuva, alagamento, raios, tempestades fortes)
  • Impacto de veículo e até queda de aeronaves estão inclusos na cobertura básica

Dependendo do projeto, é importante contratar coberturas adicionais, que cobrem problemas tanto durante, quanto depois da obra. Entre elas estão:

  • Responsabilidade civil. A primeira, garante danos materiais e corporais causados a terceiros, empreiteiros e subempreiteiros também estão protegidos. A segunda diz respeito a acidentes ocorridos no local de risco que causem morte ou invalidez.
  • Perdas financeiras de terceiros relacionados a danos durante a obra.
  • Despesas com entulho. O seguro cobre despesas como remoção, transporte e descarregamento em lugar adequado.
  • Despesas com sinistros. Se houver ocorrência de sinistros há a garantia de reembolso das despesas.
  • Danos a equipamentos e ferramentas de pequeno e médio porte como furadeiras, marretas, entre outros.
  • Danos acidentais a equipamentos e máquinas móveis ou fixos.
  • Incêndio que possa acontecer após 30 dias da entrega da obra.
  • Danos a uma parte da obra depois de finalizada, obras concluídas.
  • Danos a obras temporárias como barracões, andaimes e containers.
  • Tumultos, greves e lockout.
  • Transporte de materiais a serem incorporados à obra.
  • Propriedades preexistentes
  • Manutenção ampla, que cobre danos após 180 dias, período de manutenção.

 

Como contratar o seguro para reformas de casas residenciais

A segurança de sua reforma residenciais  depende dos detalhes e isso tem muito a ver em quem será depositado a confiança da contrato de seguro. Escolha o trabalho de um profissional capacitado, bem informado e com experiência em seguros, um corretor de seguros.

Ransom Corretora, com mais de 20 anos de experiência, tem os melhores profissionais, que irão tirar todas as dúvidas sobre o contrato, indicar as seguradoras e as coberturas mais adequadas para proteger sua reforma residencial.

Fale com um corretor de seguros e comece sua reforma residencial com segurança e tranqüilidade.

https://ransomseguros.com.br/contato/

Quem paga pelo seguro contra incêndio? Locador ou locatário?

Essa é uma das dúvidas que geram discussão durante o processo de locação. Isso, porque existe uma série de direitos e deveres de ambas as partes, que devem ser devidamente estipuladas e estarem de comum acordo antes da assinatura do contrato.

Segundo o artigo 22, inciso VIII, da Lei n° 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos, denominada como Lei do Inquilinato, a obrigação de “pagar impostos e taxas, e ainda o prêmio de seguro complementar contra fogo, que incidam ou venham a incidir sobre o imóvel”, é do locador, isto é, do proprietário do imóvel.

Continuando o inciso, porém, há uma ressalva que permite que o locador transfira essa responsabilidade ao locatário, se existir “disposição expressa em contrário no contrato”, o que significa a necessidade de um entendimento final entre as partes a respeito disso.

No caso de condomínios, tanto verticais, quanto horizontais, o seguro é uma obrigatoriedade, que deve ser vista pelo síndico, como forma de proteção aos condôminos contra acidentes.

Agora, o seguro é opcional quanto ao aluguel de casas, então como deve ser o acordo entre as partes? Vale a pena o locador transferir para o locatário esse ônus e correr o risco de perder a negociação? E quanto ao locatário, é interessante contratar um seguro para um imóvel alugado?

 

Por que contratar um seguro contra incêndio?

O Corpo de Bombeiros registra, todos os anos, milhares de ocorrências de incêndios residenciais decorrentes de acidentes domésticos. Para se ter uma pequena ideia, só na capital federal, a corporação atendeu mais de 250 chamados, no período de cinco meses.

Mesmo parecendo impensável, ninguém está eximido de um incidente com um aparelho elétrico, um curto circuito ou um descuido que possa ser o motivo inicial.

Sabendo quão devastador pode ser um incêndio para um imóvel, a contratação de um seguro que garanta a estrutura e o que está dentro dela, será de grande ajuda, caso isso venha a acontecer a seu patrimônio. O que demonstra a importância do contrato.

Aos contratar um seguro residencial, seja locador ou locatário, o segurado tem, por lei, certificada pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), a garantia do pagamento de indenização em caso de incêndio.

Ao mesmo tempo, existem outros serviços oferecidos pela seguradora para quem for o beneficiário, como encanador, eletricista, chaveiro, entre outros, de acordo com o plano escolhido.

 

Por que o locador deve contratar um seguro contra incêndio?

O motivo inicial é pela obrigatoriedade imposta em lei. No entanto, antes de usar a brecha na lei para transferir a conta para o locatário, existem alguns motivos em que o proprietário do imóvel deve avaliar.

– Inicialmente, o investimento na compra ou construção de um imóvel é relativamente alto e mesmo que o objetivo seja para aluguel, não deixa de ser seu patrimônio.

– Contratar um seguro, não apenas vai resguardar a residência em caso de acidentes, que podem ou não ser ocasionados por inquilinos, como é uma garantia de não ver todo o seu capital transformado, literalmente, em cinzas.

– Dependendo do seguro, os benefícios são estendidos ao locatário, incluindo chaveiro, manutenção e danos elétricos, manutenção hidráulica e outros, o que evita confusões sobre quem vai pagar o prejuízo.

– Em caso de sinistro, o proprietário recebe a indenização no valor estipulado em apólice para reconstruir o imóvel.

– Essa proteção também é bastante interessante durante o período em que o imóvel não estiver alugado, já que incêndios e imprevistos podem acontecer sem a interferência de alguém.

 

Por que o locatário deve contratar um seguro contra incêndio?

 Antes de decidir por não assinar o contrato de locação pela obrigação transferida em arcar com o seguro contra incêndio, o locatário deve considerar os benefícios direcionados a ele.

Mesmo que o valor da indenização seja direcionado ao locador, o inquilino pode usufruir dos outros serviços inclusos no seguro residencial, solicitando a manutenção da fiação elétrica, por exemplo, que é o principal motivo de princípio de incêndios.

O locatário pode também contratar cobertura adicional para proteger tudo que está dentro da residência, como móveis e aparelhos eletrônicos, não apenas contra fogo, mas em caso de roubo ou furto, arrombamento, entre outros riscos implícitos na apólice.

 

Como contratar o seguro ideal

Seja locador ou locatário, o mais indicado para escolher o seguro adequado é através de um corretor de seguros. Esse profissional está apto a tirar todas as dúvidas e indicar os planos apropriados à realidade de quem precisa contratar.

Leia com atenção as cláusulas do seguro e esteja consciente quanto às obrigações da seguradora e os deveres do segurado. Lembrando que fraudar o seguro é crime, com pena prevista em lei.

 

Converse com um corretor, fale com a Ransom

Existe seguro contra enchente

O período de chuvas intensas traz também o problema com alagamentos, especialmente nas grandes cidades, onde o sistema de drenagem das águas se mostra ineficiente devido ao acúmulo de lixo e falta de investimentos.

São muitas as vezes que os donos de veículos, residências e estabelecimentos se veem desprevenidos com seus patrimônios sendo atingidos pelas inundações e são grandes as perdas e altos os prejuízos.

Uma das formas procuradas para se precaver contra as intempéries e imprevistos causados pela natureza é procurar um seguro auto, residencial ou empresarial, mas será que esses seguros realmente irão ressarcir os gastos com as avarias

Não existe um seguro específico contra enchente. O mais certo é verificar nas cláusulas da apólice se a cobertura a ser contratada inclui esses problemas e como agir para não sair perdendo. Lembrando que para cada patrimônio existem as modalidades específicas, por isso, leia o contrato com atenção.

Para tirar algumas dúvidas, continue lendo e saiba como funciona o seguro auto, seguro residencial e o seguro residencial em caso de enchente.

 

Seguro Auto

O seguro para veículos, em geral, tem como básica a cobertura de danos ocasionados por acidentes envolvendo a natureza, por exemplo, queda de árvores, raios, deslizamento de terra, vendaval, granizo, ressaca, terremoto, enchentes e alagamentos.

No entanto, não é em qualquer situação que o seguro pode ser solicitado ou será aceito. Para entender melhor, se o carro estiver estacionado, na rua, na garagem, em estacionamento, enfim, e acontecer uma enchente ou alagamento, o seguro irá cobrir para reparar os danos.

Agora, se o problema acontecer por imprudência do dono do veículo, o seguro não será aprovado. Isso significa que ter um seguro auto não será garantia se o dono resolver enfrentar uma rua alagada, passando com o carro e correndo o risco de afogar o motor e outras avarias.

E não adianta tentar fingir um sinistro, pois as seguradoras têm como procedimento legal investigar o ocorrido, para saber se a conduta estava de acordo com os termos constantes nas cláusulas do contrato de seguro acordado entre as duas partes.

Essa investigação é bastante minuciosa e se o segurado for acusado de fraude, pode ser autuado por crime, conforme art. 171 previsto no Código Penal, com pena de reclusão e pagamento de multa. Então, é melhor não correr o risco de perder o seu carro e sua liberdade.

 

Seguro Residencial

A cobertura do seguro residencial costuma ser direcionado para os imprevistos, ou os sinistros que não se podem prever. Por isso, enchentes, inundações e alagamentos não estão inclusos no pacote básico do seguro residencial, que é o padrão mínimo exigido por lei e controlado pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), para que seguradoras tenham a permissão de oferecer aos segurados. Para quem quer segurar sua casa além dos seguros para incêndio, queda de raio, explosão e queda de aeronaves, vai precisar optar pelos seguros opcionais, que cobrem inclusive danos elétricos, roubo ou furto, vendaval, granizo, quebra de vidros, e outros a sua escolha.

Um recurso indicado por especialistas é providenciar formas de prevenção que protejam sua residência de enchentes e alagamentos, instalando canaletas e drenos, que conduzam a água para outros lugares.

Também é aconselhado não jogar lixos e sacolas nas ruas, manter calhas e telhas limpas, construir muros e muretas e outros recursos para manter a casa segura e não correr risco, inclusive de ter a indenização recusada.

 

Seguro Empresarial

O seguro direcionado para empresas funciona do mesmo jeito que para residências, ou seja, é preciso contratar uma cobertura adicional para se proteger em caso de alagamentos, inundações e enchentes.

Com base nesse pensamento, é válido incluir o seguro de responsabilidade civil, para garantir à empresa e a terceiros a indenização por danos físicos e morais recorrentes desse tipo de sinistro.

Assim como as residências, as empresas devem criar sistemas de prevenção, como cisternas para a captação das águas, que além de proteger são uma ótima forma de sustentabilidade, o que faz a empresa ser muito bem vista.

 

Diferença entre enchente, alagamento e inundação

A primeira vista, esses termos podem ser sinônimos, porém não é bem assim e muitas seguradoras vão destacar essa diferença em apólice, então é bom um resumo sobre o que é cada um:

Enchente – acontece quando há elevação do nível da água do rio acima do canal de drenagem, sem transbordar. Um exemplo disso acontece na cidade de São Paulo, quando o rio Tietê enche demais e toma parte da marginal.

Alagamento – se o sistema de drenagem é ineficiente, podem ocorrer pontos de alagamento, isto é, o acúmulo de água em lugares específicos e cobre parte da superfície.

Inundação – significa que as águas do rio transbordaram em uma região e o sistema de drenagem não foi suficiente para a vazão. As grandes cidades podem sofrer inundação fluvial durante o período de fortes chuvas.

 

Quer escolher o seguro certo?

A dúvida surge quando se quer decidir pela melhor seguradora e pelas coberturas adequadas para proteger seu patrimônio ou seu estabelecimento corretamente, e não ficar na mão quando mais precisar.

Para ajudar nessa questão, é interessante consultar um corretor de seguros, um profissional qualificado, que vai orientar a respeito de quais seguradoras são as mais indicadas para atender às suas necessidades.

5 motivos para ter um seguro residencial

Um estudo comparativo entre os anos de 2016 a 2018, realizado pela Federação Nacional de Seguros Gerais, FenSeg, mostra um crescimento na porcentagem de residências com seguro. O estudo apontou que houve uma variação de 14,2% entre 2017 e 2018.

Esse aumento, ainda que pouco significativo em relação a seguros como o de automóveis, por exemplo, pode ser explicado pela preocupação das pessoas com a proteção do patrimônio. Nas grandes cidades, como São Paulo, a questão de segurança é o principal fator para a procura de um seguro, em segundo lugar, estão os vários benefícios que o seguro residencial traz além da indenização por acidentes.

Abaixo, saiba 5 motivos porque é importante, e bom, ter um seguro residencial:

 

1 – Relação Custo-Benefício

O valor de um seguro residencial compensa bastante se considerar os custos que seriam pagos para reconstruir uma casa que passou, talvez, por um incêndio ou uma explosão.

Além do mais, o número de benefícios que o segurado pode ter conforme o seguro adquirido fazem o valor do prêmio, ou seja, o valor pago mensalmente, valer muito a pena.

 

2 – Valores acessíveis

Seguros residenciais costumam ter o prêmio mais barato se comparado ao valor da residência e de outros seguros. Para se ter uma ideia, enquanto um seguro auto representa entre 5% e 10% o total do veículo, o seguro residencial é de, no máximo, 1% do valor do imóvel.

Geralmente, o valor da indenização é calculado conforme o custo do metro quadrado de construção do imóvel.

Um exemplo, para uma proteção básica, o valor custa, em média, pouco mais de R$ 300 por ano. Bem acessível, não acha?

 

3 – Ampla Cobertura

Entre as coberturas de um seguro residencial estão as coberturas básicas contra incêndio, seja ele provocado por qualquer motivo, com exceção do doloso, ou seja, intencional.

Também está incluso no padrão básico explosão e queda de raio que danifique bens que forem incluídos no seguro. Lembrando que para haver a indenização, o acidente deve ter ocorrido dentro da área do terreno ou edifício do segurado.

Entre as coberturas adicionais, estão o seguro contra danos elétricos e danos à eletrônicos, acidentes causados por vendavais, granizo, quedas de aeronaves, furacões ou outros desastres naturais. Além de impacto de veículo e fumaça.

Continuando os benefícios, sua residência pode ter cobertura contra furto ou roubo, uma das razões pelos quais muitos proprietários têm procurado as corretoras de seguros.

Outra cobertura que pode ser de grande ajuda é concernente à responsabilidade civil. Nesse caso, existe a cobertura por responsabilidade civil familiar, por danos morais, por prática de esportes, relativa à empregados domésticos e até mesmo direcionada à seu animal de estimação.

 

4 – Serviços de assistência 24 horas

Essa cobertura igualmente têm atraído muitos segurados. Isso porque com o seguro residencial é possível ter assistência 24 horas para aqueles serviços que, muitas vezes, precisamos de alguém especializado para fazer:

  • Chaveiro;
  • Eletricista;
  • Encanador, incluindo serviços hidráulicos, como parar vazamentos;
  • Vidraceiro
  • Limpeza de caixa d’água;
  • Limpeza de calhas;
  • Retirada de entulho;
  • Instalar olho mágico;
  • Conserto de eletrodomésticos como fogão, máquina de lavar louças e de lavar roupas, máquina de secar roupas, micro-ondas, etc.
  • Conserto do telhado;
  • Segurança e Vigilância;

Dependendo da apólice, você pode contar com alguém até para pendurar um quadro na parede, o que quer dizer que fazer um seguro residencial é muito mais que simplesmente proteger seu patrimônio, é ter assistência profissional quando precisar.

 

5 – Rápida indenização

Passar por um desastre é muito ruim. Perder o lugar onde mora, é péssimo. Agora, depois de tudo isso, saber que o seguro vai demorar para pagar a indenização, sendo que o segurado arcou direito com sua parte do acordo, é desesperador.

Felizmente, não é isso que acontece para quem faz seguro residencial. Geralmente, a seguradora paga a indenização em até 30 dias, a partir do recebimento da documentação exigida. Em alguns casos, esse período pode se estender ou ser suspenso, se for preciso novos documentos.

Se a seguradora não cumprir esse prazo, por lei, a indenização deve ser paga com acréscimo de juros e multas.

Muito cuidado com erros na documentação, fraudes, declarações falsas ou omissão de informações importantes à seguradora. Isso pode fazer com que a indenização seja negada.

 

Procure um corretor de seguros especializado

Fazer um seguro residencial é muito fácil e só traz vantagens. Para ter ainda mais benefícios e facilidades na hora de contratar um plano, consulte um corretor de seguros. Um profissional qualificado para orientar o segurado sobre quais seguradoras irão melhor atender às necessidades de cada residência, seja uma casa ou apartamento, seja sua moradia regular ou apenas para veraneio.