Como funciona o seguro de vida

A resposta para a frase de um desenho clássico “coisas ruins acontecem e não a nada o que se possa fazer”, é contrate um seguro.

Imprevistos durante a vida são as coisas ruins, que infelizmente acontecem quando menos se espera. Uma doença repentina, um acidente, a morte inesperada. Estar preparado quando a necessidade surgir é o melhor que se pode fazer.

Claro que ninguém quer passar por isso e muito menos se deseja que alguém passe. Fazer um seguro de vida é melhor maneira de proteger os seus interesses e da sua família.

As coberturas para esse seguro envolvem invalidez total, parcial e permanente, despesas médicas, diárias de incapacidade e internação e até em caso de morte, algumas seguradores inclui assistência funeral. E até mesmo para quem quer planejar o futuro, um seguro de vida pode ser interessante.

Agora você sabe o que fazer para ter um seguro de vida? Então continue lendo e conheça o passo a passo para amparar você e sua família.

 

Entre em contato com o corretor

Ao sair pesquisando por seguros e seguradoras, é de praxe encontrar várias propostas na internet, com preços e coberturas variadas. Imagina entrar em contato com cada uma delas para pedir informações, ler e entender diversas apólices? Porque não é todo mundo que compreende termos jurídicos.

A escolha pela que atenda a suas necessidades e de sua família pode ser difícil e demorada.

Todo esse trabalho pode se tornar muito mais simples, se você entrar em contato com um corretor de seguros. O Estadão publicou um texto sobre a importância do corretor, vale a pena ler.

O corretor vai auxiliar em todo o processo de seguro, desde a escolha do melhor plano, vai explicar detalhadamente os termos da apólice, tirar dúvidas e indicar aquela que mais se encaixa à sua realidade.

Então, antes de abrir vários sites de seguradoras, entre em contato com a Ransom Corretora.

 

Análise do perfil

Seja qual for o seguro contratado, as seguradoras vão avaliar o perfil do segurado. É através desse perfil que o valor do prêmio é definido, isto é, as prestações que serão pagas durante o período vigente do contrato.

São essas informações que direcionam o corretor sobre quais planos são mais indicados para o segurado, quais coberturas são ideais, o que deve estar incluído na apólice, enfim.

Preencha os dados solicitados corretamente. Evite indicar outra pessoa como segurado titular, não responder corretamente, mentir ou omitir, tentando reduzir o valor do seguro. Além de ser considerado fraude, um crime sério, pode perder o direito à indenização quando mais precisar.

Entre algumas questões, a seguradora irá considerar:

 

– Qual a finalidade do seguro, se será temporário ou vitalício.

O seguro temporário é uma modalidade com um valor um pouco mais baixo que o vitalício. É indicado para quem pensa em um seguro por certo período de tempo, por exemplo, para os filhos menores terem um respaldo ou para um projeto de vida futuro.

O vitalício cobre em caso de morte ou invalidez, garantindo proteção financeira para a família do segurado ou até mesmo para ele. Para esse seguro, exames médicos, declarações de bens, hábitos de saúde do segurado e histórico de doenças são considerados.

 

– Faixa etária

Quanto mais velho o segurado for, maior o valor da apólice. Ainda que a expectativa de vida vem aumentado nos últimos anos e ter 20 anos não seja exatamente uma segurança contra acidentes, as seguradoras supõem que uma pessoa com mais de 60 anos tenha maior probabilidade de precisar da indenização a uma mais jovem.

 

– Sexo

Mulheres têm uma expectativa de vida maior que os homens. Seja por realizarem mais exames médicos, por serem mais cuidadosas no trânsito, não se arriscarem tanto, e outros motivos, que as seguradoras cobram menos delas.

 

– Fatores genéticos

Doenças existentes na família, como hipertensão arterial e diabetes, por exemplo, podem interferir na análise do perfil e encarecer o prêmio.

 

– Hábitos de vida

Fumantes, sedentários, entre outros maus hábitos de saúde, que tornem iminente o risco de morte ou incidentes, também elevam o valor do seguro.

 

– Esportes radicais

Se o segurado é adepto da prática de esportes radicais, a seguradora entende como um risco maior e o segurado deve contratar um seguro com uma cobertura mais abrangente, logo mais cara.

 

A proposta do corretor

Após avaliar o perfil, o corretor monta uma proposta com planos direcionados e com os termos estabelecidos pela seguradora e garantidos por lei, organizados em cláusulas.

Em resumo, a apólice traz as condições gerais, com os direitos e deveres de ambas as partes, condições particulares, com as coberturas, indenizações e vigência, e demais informações pertinentes, incluindo o valor da mensalidade.

 

Assinatura do contrato

Agora é sua vez de conferir os itens da apólice. É importante não ter pressa e ler cada cláusula com atenção, perguntando ao corretor todas as dúvidas que surgirem.

Lembre-se que é um documento que irá proteger o seu futuro e o da sua família, por isso, é de extrema relevância entender o contrato por completo e assinar tendo consciência de todo o conteúdo.

Não se atentar a isso pode ocasionar a recusa do pagamento da indenização, visto que determinadas cláusulas foram ignoradas pelo segurado como prazo de carência, coberturas, e demais termos.

 

Emissão da apólice

Segundo regras da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), órgão responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, e assegurado por lei, descrito no Código Civil, a seguradora tem até 15 dias para a emissão da apólice, após aceitação.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *